domingo, 30 de maio de 2010

SANTANA DO MATOS REALIZA SEU 21º CONCURSO DE BELEZA "FLOR DE MAIO"

 Josyelle “Flor de Maio 2010”

A universitária Josyelle foi a vencedora do concurso de beleza “Flor de Maio 2010”, tradicional concurso realizado em Santana do Matos que tem Dioneide Mendes como organizadora e promotora do evento. Essa foi a 21ª Flor de Maio, onde o bonito e o natural se confundem com a simplicidade da nossa gente. Foi uma grande festa que proporcionou as 14 concorrentes, correspondência dada pela presença da população que compareceu em bom número a quadra de esportes José Alípio de Macedo.

Maria Josyelle da Cunha Ferreira estuda ciências contábeis na universidade católica de Assu (UCA), sentiu os momentos marcantes na passarela ao ficar entre as cinco finalistas e ser a vencedora do concurso.

O desfile realizado a céu aberto, numa quadra de esportes, limita o público pelas condições naturais da infra-estrutura, outro local adequado para esses tipos de eventos merece a sociedade local.

Vale aqui lembrar que Santana do Matos possui um Club com toda a infra-estrutura, espaço, piscina e dependências e que já realizou mais de dez concursos “Flor de Maio”. Hoje, em estado total de abandono por muitos anos, patrimônio do município e de um grupo de sócios patrimoniais que por interesses divergentes ou desinteresses de alguns não é reativado. Perde uma geração que não absorve a formação social que essas jovens ainda representam.

Para quem assistiu o concurso pela internet no site de (edilimafreire.com.br) deu pra notar as características e biotipos da mulher sertaneja. Senhores psiquiatras e nutricionistas fiquem longe de Santana, não teriam clientela. Todas bonitas e saudáveis, pela passarela desfilaram antes dos detalhes pessoais proferidos pela apresentadora Dioneide, destacando-se a maioria pelos gostos gastronômicos: suas virtudes e talentos são alimentados por sonhos, lasanha e muito chocolate. Iguarias fora dos padrões da beleza internacional mas que as isentam das possibilidades possíveis da anorexia.

PROGRAMA DANIEL PEREIRA EM FERNANDO PEDROZA AOS DOMINGOS A PARTIR DAS 11.30h

 FM Cidade em Fernando Pedroza programa "Tribuna Livre" na voz de Daniel Pereira

O prograna "Tribuna Livre" da FM Cidade em Fernando Pedroza está sendo transmitido para os internautas pelo site ( fmcidadefp.com ), o noticioso que vai ao ar todos os domingos a partir das 11.30h abrange assunto gerais com destaque em blocos da política nacional, estadual e regional.

sábado, 29 de maio de 2010

DEPUTADO ROGÉRIO MARINHO (PSDB/RN) QUER ABRIR CAIXA PRETA DAS ESTATAIS


Rogério quer abrir caixa preta das estatais
Deputado vai apresentar emenda para Governo mostrar contas da Petrobras e Eletrobras

O deputado federal Potiguar, Rogério Marinho (PSDB), coordenador da bancada de oposição na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional , vai apresentar uma emenda para suprimir o adiamento do Governo Federal que tenta mais uma manobra para não enviar ao Congresso as senhas de acessos ao sistema de acompanhamento dos gastos estatais em órgãos como a Petrobras e Eletrobras.

 O Executivo enviou uma proposta de lei orçamentária ao Congresso e adiou o acesso dos deputados, senadores e técnicos do Tribunal de Contas da União aos gastos de órgãos como Petrobras e Eletrobras.

 “Era para as senhas de acesso ao sistema de acompanhamento de gastos das estatais estarem disponíveis em 22 de dezembro do ano passado . Mesmo atrasado em cinco meses, o Governo ainda quer prorrogar a entrega das senhas em mais um ano para evitar que os congressistas, o TCU e a sociedade não fiscalizem  um orçamento de cerca de 100 bilhões de reais”, reclamou o Rogério Marinho,  que pretende apresentar uma emenda para suprimir mais esse adiamento e abrir as caixas pretas das estatais antes de terminar o mandato de Lula.

A posição do deputado potiguar é notícia hoje na coluna radar on line da Veja.com, assinada pelo colunista Lauro Jardim.

PROPAGANDA POLÍTICA ANTECIPADA NO RIO GRANDE DO NORTE

Propaganda política antecipada I
 
Os primos, Senador Garibaldi Alves Filho e o deputado federal Henrique Eduardo Alves, ambos peemedebistas comemoram no Centro de Convenções em Natal, ontem, dia 28 de Maio, 40 anos de vida pública. Quatro décadas, quase meio século de autêntica representatividade da política norteriograndense.

Coincidências, oportunismos, a data aleatória antecipa a ânsia, a expectativa pela frenética manifestação política, como se fora, atividades únicas a fazer. As fotos expostas à maneira hitleriana conclamam a permanência no poder. Quatro décadas, quase meio século, uma realidade a ser analisada como um capítulo da história política do Rio Grande do Norte.

Não são os únicos. Outros autênticos representantes de nossas origens pobres confraternizam com astúcia e proselitismo a política brasileira com esses atos públicos em época ou datas tiradas do bolso do colete. Desta feita, à exemplo do governo e desrespeitando as leis existentes (STE) que proíbe essas  manifestações em períodos pré-eleitorais. O eleitor participa das festas e para a justiça, o jogo cênico foi 1 x 1, com mando de campo, despolitizado.

Propaganda política antecipada II
Ousada, muito mais ousada foi a máquina do governo. Com engrenagens federal, estadual e municipais, parecendo ser lubrificadas por uma pasta “Anti crivo judiciales - made in Paraguai ou Venezuela”, a folia foi grande. Por coincidência lá na Vila Folia em Natal.

Na capital, o termômetro da política estadual do café São Luiz, o comentário é um só: foi showmício para mais de 10 mil pessoas, complacência aceita pelas condições de recuperação do estado de saúde de um honrado político: Iberê Ferreira de Sousa, o governador. Merecia muito mais, isento de críticas, caso não fosse uma clara antecipação da irregular campanha política, vista por todos, ou à vistas grossas dos tribunais eleitorais.

Bandas, discursos do governador, da ex-governadora, de deputado e faixas apelativas pedindo votos foi a tônica das homenagens. Outro candidato, Marina Silva, ao visitar Natal, realizou palestra na Assembléia Legislativa para empresários e deputados e por ter sido exibida uma faixa, a mesma será processada. Dois pesos e duas medidas não separam o joio do trigo.

No palanque do governador Iberê, por solidariedade e coincidência estavam todos de vermelho representando as cores dos pré-candidatos na campanha. Justificam-se que aquele vermelho tinha outra tonalidade, caracterizando a eficiência da saúde pública do país.

O não cumprimento da aplicação da Lei, quando se evidencia, campanhas antecipadas, iguais a esses eventos, já causaram surpresas eleitorais no Estado. Feitos para promover governo e políticos através de discursos, faixas e artistas populares; incentivando o eleitor com colocações e insinuações ou aniversários sem data precisa com motivos criativos, com presença de políticos de outros estados, comemorando não se sabe o que! ... Nem qual a importância de suas presenças para o Estado, pode de repente ser rajadas de tiros pela culatra.
Esses fatos acontecem, uma realidade comprovada apoiada por lideranças submetidas a uma política assistencialista, a outros níveis, mesmo assim, ficam essas mesmas lideranças, podadas das condições pessoais de manifestar-se. Diante da Legislação, a justiça pune os infratores, uma simples multa do montante em capital de giro não investido, como uma ciranda em gozo de felizes enamorados.

Não dando importância ao seu voto, o eleitor comum, a maioria confirma o apoio irrestrito pelas não condições de oferta ao progresso, não é responsável pela análise do que decide e convenientemente não será preparado para isso.

Ficando a imprensa independente, o blogueiro solitário, exposto a justiça, o que confiamos pela constituição a preservar o constituído direito de expressão falada e escrita. A imprensa ávida do fato em si, expõe com destaque o falso conteúdo, a notícia como consumo.

Alguns comunicadores sociais, retraídos por precauções ao sistema ainda expressam restritas informações e são submetidos à análise, adjetivados, no mínimo com valores impublicáveis. O povo sendo ou não sendo protagonista aceita as condições de responsabilidade pela imposição de permanência do sistema, um aval bem cuidado por critérios desiguais e desumanos. E assim, permanecem as mudanças que o país necessita.


quinta-feira, 27 de maio de 2010

ALUNOS DA ESCOLA EXPEDITO ALVES VISITAM A CÂMARA MUNICIPAL EM ANGICOS/RN


Alunos ladeados pela professora Marly, vereador Júnior de Chicola e Modesto Batista
  
Alunos vistam Câmara Municipal em Angicos 

Alunos do 5º ano da Escola Municipal Expedito Alves em Angicos/RN, acompanhados da professora Marly Alves visitaram a Câmara Municipal nesta quarta-feira, 26 de Maio e participaram de uma palestra ministrada pelo vereador Francisco Batista Filho (Júnior de Chicola).

Quais são os poderes? Como se relacionam? Qual a diferença entre o poder Legislativo e o Executivo? Estas e outras questões foram colocadas pelo vereador, cujo conteúdo teve importância absorvida pelos estudantes com a orientação didática da professora Marly.

O vereador Júnior de Chicola em seus dez anos de vida pública, apresentou projetos importantes realacionados a educação no município, tais como: o plano de cargos e carreira dos professores do município e o plano diretor que está sendo discutido e apreciado pela casa.  Indagado qual a lei mais importante que ele apresentou durante suas legislaturas o vereador respondeu: “ ... foi a da meia-entrada que garantia ao estudante ir a um evento cultural pagando a metade do preço mesmo sem a posse de sua carteira estudantil, sendo necessário apenas, uma certidão da escola que alegasse que ele era um estudante regularmente matriculado”.

O jovem representante do Movimento Educacionista do Brasil (MEB) no RN, escritor e poeta  Modesto Batista, atenado ao tema educação na cidade, esteve presente ao evento, dando assim, a sua contribuição com colocações aos questionamentos feitos entre o vereador Júnior de Chicola, a professora Francisca Marly e os estudantes.

Fonte: Correiopop (Link ao lado)

A LITERATURA DE CORDEL EXPRESSA O NORDESTE COM A SIMPLICIDADE DA NATUREZA



A POESIA 
DE ANTONIO FRANCISCO 

Em qualquer lista que reúna os grandes nomes da Literatura de Cordel, especialmente os que estão em atividade, não pode faltar o de Antônio Francisco. Mossoroense, Antonio Francisdo, nasceu a 21 de outubro de 1949, num bairro chamado Lagoa do Mato. É poeta popular, xilógrafo, compositor e ainda trabalha confeccionando placas. Um dado interessante é que, só após os quarenta anos, ele se dedicou ao ato de escrever. No dia 15 de maio de 2006 tomou posse na Academia Brasileira de Literatura e Cordel - ABLC, na cadeira de número 15, patronímica do poeta cearense Patativa do Assaré. É autor dos poemas, “Meu Sonho”, “O Guarda-Chuva de Prata”, “Os Sete Constituintes” ou “Os Animais têm Razão”, “Aquela Dose de Amor”, “A Oitava Maravilha” ou a “Lenda de Cafuné”, “A Cidade dos Cegos” ou “História de Pescador”, “As Seis Moedas de Ouro”, “A Arca de Noé”, “Do Outro Lado do Véu”, “Confusão no Cemitério”, “O Ataque de Mossoró ao Bando de Lampião”, “A Lenda da Ilha Amarela”, “Um Conto bem Contado”, “A Casa que a Fome Mora”, “Um Bairro Chamado Lagoa do Mato”, “O Duelo de Bangala”, “O Feiticeiro do Sal”, “Uma Carrada de Gente”, “No Topo da Vaidade”, “Uma Carta para a Alma de Pero Vaz de Caminha”, “Uma Esmola de Sombra”, “O Rio de Mossoró e as Lágrimas que eu Derramei”, “O Lado Bom da Preguiça”, “A Resposta” e “De Calça Curta e Chinela”, editadas em folhetos ou em seus livros “Dez Cordéis num Cordel Só”, “Por Motivo de Versos” e “Veredas de Sombras”, editados pela Queima Bucha.
Destaco, a seguir, a obra:

Os sete constituintes
                                              Autor: Antônio Francisco

Quem já passou no sertão
E viu o solo rachado,
A caatinga cor de cinza,
Duvido não ter parado
Pra ficar olhando o verde
Do juazeiro copado.

E sair dali pensando:
Como pode a natureza
Num clima tão quente e seco,
Numa terra indefesa
Com tanta adversidade
Criar tamanha beleza.

O juazeiro, seu moço,
É pra nós a resistência,
A força, a garra e a saga,
O grito de independência
Do sertanejo que luta
Na frente da emergência.

Nos seus galhos se agasalham
Do periquito ao cancão.
É hotel do retirante
Que anda de pé no chão,
O general da caatinga
E o vigia do sertão.

E foi debaixo de um deles
Que eu vi um porco falando,
Um cachorro e uma cobra
E um burro reclamando,
Um rato e um morcego
E uma vaca escutando.

Isso já faz tanto tempo
Que eu nem me lembro mais
Se foi pra lá de Fortim,
Se foi pra cá de Cristais,
Eu só me lembro direito
Do que disse os animais.

Eu vinha de Canindé
Com sono e muito cansado,
Quando vi perto da estrada
Um juazeiro copado.
Subi, armei minha rede
E fiquei ali deitado.

Como a noite estava linda,
Procurei ver o cruzeiro,
Mas, cansado como estava,
Peguei no sono ligeiro.
Só acordei com uns gritos
Debaixo do juazeiro.

Quando eu olhei para baixo
Eu vi um porco falando,
Um cachorro e uma cobra
E um burro reclamando,
Um rato e um morcego
E uma vaca escutando.

O porco dizia assim:
– “Pelas barbas do capeta!
Se nós ficarmos parados
A coisa vai ficar preta...
Do jeito que o homem vai,
Vai acabar o planeta.

Já sujaram os sete mares
Do Atlântico ao mar Egeu,
As florestas estão capengas,
Os rios da cor de breu
E ainda por cima dizem
Que o seboso sou eu.

Os bichos bateram palmas,
O porco deu com a mão,
O rato se levantou
E disse: – “Prestem atenção,
Eu também já não suporto
Ser chamado de ladrão.

O homem, sim, mente e rouba,
Vende a honra, compra o nome.
Nós só pegamos a sobra
Daquilo que ele come
E somente o necessário
Pra saciar nossa fome.”

Palmas, gritos e assovios
Ecoaram na floresta,
A vaca se levantou
E disse franzindo a testa:
– “Eu convivo com o homem,
Mas sei que ele não presta.

É um mal-agradecido,
Orgulhoso, inconsciente.
É doido e se faz de cego,
Não sente o que a gente sente,
E quando nasce e tomando
A pulso o leite da gente.

Entre aplausos e gritos,
A cobra se levantou,
Ficou na ponta do rabo
E disse: – “Também eu sou
Perseguida pelo homem
Pra todo canto que vou.

Pra vocês o homem é ruim,
Mas pra nós ele é cruel.
Mata a cobra, tira o couro,
Come a carne, estoura o fel,
Descarrega todo o ódio
Em cima da cascavel.

É certo, eu tenho veneno,
Mas nunca fiz um canhão.
E entre mim e o homem,
Há uma contradição
O meu veneno é na presa,
O dele no coração.

Entre os venenos do homem,
O meu se perde na sobra...
Numa guerra o homem mata
Centenas numa manobra,
Inda tem cego que diz:
Eu tenho medo de cobra.”

A cobra inda quis falar,
Mas, de repente, um esturro.
É que o rato, pulando,
Pisou no rabo do burro
E o burro partiu pra cima
Do rato pra dar-lhe um murro.

Mas, o morcego notando
Que ia acabar a paz,
Pulou na frente do burro
E disse: – “Calma, rapaz!...
Baixe a guarda, abra o casco,
Não faça o que o homem faz.”

O burro pediu desculpas
E disse: – “Muito obrigado,
Me perdoe se fui grosseiro,
É que eu ando estressado
De tanto apanhar do homem
Sem nunca ter revidado.”

O rato disse: – “Seu burro,
Você sofre porque quer.
Tem força por quatro homens,
Da carroça é o chofer...
Sabe dar coice e morder,
Só apanha se quiser.”

O burro disse: – “Eu sei
Que sou melhor do que ele.
Mas se eu morder o homem
Ou se eu der um coice nele
É mesmo que estar trocando
O meu juízo no dele.

Os bichos todos gritaram:
– “Burro, burro... muito bem!”
O burro disse: – “Obrigado,
Mas aqui ainda tem
O cachorro e o morcego
Que querem falar também.”

O cachorro disse: – “Amigos,
Todos vocês têm razão...
O homem é um quase nada
Rodando na contramão,
Um quebra-cabeça humano
Sem prumo e sem direção.

Eu nunca vou entender
Por que o homem é assim:
Se odeiam, fazem guerra
E tudo o quanto é ruim
E a vacina da raiva
Em vez deles, dão em mim.”

Os bichos bateram palmas
E gritaram: – “Vá em frente.”
Mas o cachorro parou,
Disse: – “Obrigado, gente,
Mas falta ainda o morcego
Dizer o que ele sente.”

O morcego abriu as asas,
Deu uma grande risada
E disse: – “Eu sou o único
Que não posso dizer nada
Porque o homem pra nós
Tem sido até camarada.

Constrói castelos enormes
Com torre, sino e altar,
Põe cerâmica e azulejos
E dão pra gente morar
E deixam milhares deles
Nas ruas, sem ter um lar.”

O morcego bateu asas,
Se perdeu na escuridão,
O rato pediu a vez,
Mas não ouvi nada, não.
Peguei no sono e perdi
O fim da reunião.

Quando o dia amanheceu,
Eu desci do meu poleiro.
Procurei os animais,
Não vi mais nem o roteiro,
Vi somente umas pegadas
Debaixo do juazeiro.

Eu disse olhando as pegadas:
Se essa reunião
Tivesse sido por nós,
Estava coberto o chão
De piubas de cigarros,
Guardanapo e papelão.

Botei a maca nas costas
E saí cortando o vento.
Tirei a viagem toda
Sem tirar do pensamento
Os sete bichos zombando
Do nosso comportamento.

Hoje, quando vejo na rua
Um rato morto no chão,
Um burro mulo piado,
Um homem com um facão
Agredindo a natureza,
Eu tenho plena certeza:
Os bichos tinham razão.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

SANTANA DO MATOS MUNICÍPIO COM O MAIOR NÚMERO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS NO RN


Arqueologia / Santana do Matos 

O professor e arqueólogo Valdeci dos Santos Junior, bastante conhecido em Santana do Matos pelo trabalho de mapeamento e cadastramento dos sítios arqueológicos no município, foi liberado pelo UERN por quatro anos para concluir o doutorado em arqueologia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Em Recife no segundo ano do curso divide as atividades teóricas com a sua paixão permanente: a prática no campo, a arqueologia.

Nas atividades práticas da arqueologia foi chamado pelo Ministério da Integração Nacional para coordenar uma das três equipes (de 45 pessoas), composta por arqueólogos, paleontólogos e técnicos de arqueologia, para a transposição do Rio São Francisco. No Nordeste somente três arqueólogos foram chamados para a função de chefia, dentre eles está o professor Valdeci.

Em contato com o Blog redação cajarana informou: “devido a essas novas funções, me afastei um pouco da pesquisa na região central do RN (embora de vez em quando eu tenho ido a Santana em busca de novos sítios). Hoje já são 87 sítios cadastrados por nossa equipe somente em Santana do Matos e é atualmente o município potiguar com a maior quantidade de sítios arqueológicos no Estado, vindo em segundo lugar o município de Carnaúba dos Dantas com 64 sítios”, disse o professor.

Sobre Santana do Matos o professor Valdeci continua informado e otimista sobre o projeto turístico/cultural que vislumbramos na época de suas pesquisas e que foi preterido: Conservação divulgação e visitação das pinturas e gravuras rupestres dos sítios arqueológicos. E sobre o assunto me comunicou: “lamentavelmente a falta de estruturação/sinalização, na época inviabilizou o projeto. Apenas 03 sítios arqueológicos permitiria que colocássemos as placas do DENIT (que já temos a autorização) e o fluxo turístico em Santana traria novas receitas para o município”.

Cinco anos depois, as estruturas surgiram. Já existem três pousadas, Banco do Brasil, Farmácias, restaurantes, boa estrada e um pequeno grupo de pessoas já instruídas para levar os turistas aos sítios.  Relembra o professor Valdeci: “durante o pequeno período de 01 ano que passamos com contrato na Prefeitura foram feitos alguns avanços, tais como: o número de sítios localizados dobrou de número, foi realizada uma palestra com vários órgãos estaduais e federais em Santana do Matos (mais precisamente na comunidade de Residência), foi realizada palestra na câmara municipal de Santana, foi divulgado na Tribuna do Norte e no diário de Natal,  na TV Cabugi, foram realizados dois documentários para TV a cabo - TCM-Mossóro sobre Santana do Matos, foi conseguido as autorizações do DENIT para colocar placas de sinalização sobre os sítios arqueológicos de Santana do Matos”. Todo um trabalho preliminar, de base, foi feito.

Na verdade estava no bom caminho, mas infelizmente a falta de visão a médio prazo  prevaleceu e o contrato foi rompido. O que os municípios do Seridó estão conseguindo hoje é fruto de muito trabalho, articulação política e principalmente uma visão de cultura turística que não é fácil de ser assimilada por pessoas que privilegiam o imediatismo e o que se pode conseguir em termos de votos. Enquanto esse pensamento continuar, o município de Santana do Matos terá que se contentar em aplaudir os demais municípios que começaram a pensar diferente e hoje estão colhendo os primeiros frutos.

CONSÓRCIO DE SAÚDE A PASTA PRETA DA MARACUTAIA


Consórcios, a pasta preta dos maus exemplos

Parecendo uma solução para o caos da saúde, os municípios do Rio Grande do Norte agora fizeram adesão a um consórcio de saúde, um consórcio público, ora pois, pois. E de fato e de direito, o cidadão agora vai ter uma assistência (um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) SAMU, com estatuto e tudo. Ambulâncias em todas as regiões do Estado equipadas com serviços de unidade de tratamento intensivo (UTI), coisa de primeiro mundo. É brincadeira não!? Tratando-se de saúde pública no país, no estado do Rio Grande do Norte parece mesmo uma piada ou mesmo pegando de leve uma utopia. Muita grana vai rolar e o povão na ilusão a telefonar para o 192.

Não tenhamos dúvida, uma iniciativa, até certo ponto viável para os países de primeiro mundo, onde tem estradas, cidadania, políticas públicas e punição para corruptos. Tenhamos dúvidas quanto a eficiência da premiação oferecida aos consorciados. Não seriam prêmios ou benefícios das inovações trocando seis por meia dúzia ou sendo mais cético que os pacientes não cheguem aos atendimentos adequados em corpos fétidos para necropsias antecipadas.

Não existe consistência ou aplicação prática desse serviço nos recôncavos de pobreza dos nossos municípios. Tanta verba poderia ser aplicada nas infra-estruturas hospitalares que estão sucateadas. Não acreditamos mais em planos, programas e projetos em véspera de eleição, ainda  citando, despesas fracionadas do real, subestimando assim, a inteligência dos cabeças chatas.

Mas sejamos otimistas, ainda confio nos médicos de cada município deste Estado, nas suas limitações e decisões que tomam profissionalmente. Para encaminhamento de emergência numa cidade do interior, ainda é bom senso, pegar o primeiro veículo que dispunha a prefeitura e tomar rumo norte as referências hospitalares da capital. Caso encontre uma UTI ambulante é mera coincidência, seguro morreu de velho e consórcio de saúde é a morte parcelada. 

VOTE POR ESCOLHA COMO SE ESTIVESSE EJACULANDO

terça-feira, 25 de maio de 2010

CORONÉ CAFUÇÚ - UM CAPÍTULO DA CULTURA NORTERIOGRANDENSE


Coroné Cafuçú

Raimundo Ferreira Campos é nascido na cidade de Luiz Gomes, no Oeste do estado do Rio Grande do Norte. Filho de pais paraibanos e agricultores, trabalha desde os seus 20 anos como radialista, e desde então tem se tornado um defensor da cultura popular.

Sua descendência vem do pai do cordel “Leandro Gomes de Barros”. Raimundo também é repentista, poeta popular e humorista, simbolizando no seu personagem "Coroné João Cafuçú", um estilo “amatutado”, que revela a sua essência do típico homem do campo, um sertanejo autêntico.

O Coroné Cafuçú, presente nos principais eventos culturais do Estado, tem feito muito sucesso por onde passa com sua poesia matuta, tocada nas principais rádios do país.

Com três CDs lançados Raimundo, digo Coroné, os dois se confundem - o tornou referência da cultura popular no RN. Declamando de forma irreverente, e seu jeito ímpar de contar estórias e causos tem atraído fãs de diversas partes do país. Coroné tem se apresentado nas maiores TVs do Nordeste, como Tv Diário, de Fortaleza, Tv Ponta Negra, Intertv Cabugí, Tv União, de Natal, essa última onde atualmente tem um programa diário que apresenta seus poemas e conta seus causos, citando o dia-dia matuto e as belezas naturais, tão bem expressados em suas poesias.

NOVOS VALORES PAGOS PELO LITRO DE LEITE NO PROGRAMA DO ESTADO EQUIPARADOS AO PAA


Henderson (de camisa amarela) ladeado por Marcone e Idalécio
 
 Governo anuncia reajusta para programa do leite

Em reunião realizada com os presidentes, Idalécio Pinheiro - da associação dos criadores de ovinos e caprinos do sertão do cabugi (Acosc), Marcone Angicano - da associação dos pequenos agropecuaristas do sertão de Angicos (Apasa), o presidente  do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Norte (Emater/RN), Henderson Magalhães - (órgão que passará a administrar o programa do leite na gestão do governo Iberê Ferreira de Souza), comunicou aos presidentes das duas associações as novas modificações que serão realizadas no formato de gestão do programa, bem como, os novos preços a serem pagos aos produtores. Segundo o presidente Henderson, os novos preços foram definidos em portaria do governo do estado e terão os mesmos valores do leite adquirido pelo programa de aquisição de alimentos (PAA), leite do governo federal, passando a ser pago os seguintes valores aos produtores: Leite Bovino: R$ 0,80 (oitenta centavos) Leite caprino: R$ 1,30 (um real e trinta centavos)
.
Também será modificada a forma de pagamento aos produtores não Pronafianos(*), passando este a ser realizado diretamente numa conta bancária do produtor sem que haja a intermediação das usinas. Esta nova sistemática exigirá das associações produtoras uma reestruturação radical no formato de apoio aos seus associados, tendo em vista não ser mais possível a realização de descontos no faturamento do produtor. Vale salientar que essa sistemática já é utilizada no pagamento dos produtores Pronafianos, que são pagos com recursos do governo federal.

Fonte: Acosc

(*) – Pronafianos – de Pronaf: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Governo Federal)

QUANDO OS ALFARRÁBIOS COM POESIA AMENIZAM OS SOFRIMENTOS


Agruras da Lata D'água
Jessier Quirinio 
Composição: Jessier Quirino 
 
...E eu que fui enjeitada
Só porque era furada.
Me botaram um pau na boca,
Sabão grudaram no furo,
Me obrigaram a levar água
Muitas vezes pendurada,
Muitas vezes num jumento.

Era aquele sofrimento,
As juntas enferrujadas.
Fiquei com o fundo comido.
Quando pensei que tivesse
Minha batalha cumprido,
Um remendo me fizeram:
Tome madeira no fundo
E tome água e leva água,
E tome água e leva água.

Daí nasceu minha mágua:
O pau da boca caía,
Os beiços não resistiam.
Me fizeram um troca-troca:
Lá vem o fundo pra boca,
Lá vai o pau para o fundo.
Que trocado mais sem graça
Na frente de todo mundo.
E tome água e leva água
E tome água e leva água.

Já quase toda enfadada,
Provei lavagem de porco,
Ai mexeram de novo:
Botaram o pau na beirada.
E assim desconchavada,
Medi areia e cimento,
Carreguei muito concreto
Molhado duro e friento,
Sofri de peitos aberto,
Levei baque dei peitada.

Me amassaram as beiradas,
Cortaram minhas entranhas.
Lá fui eu assar castanha,
Fui por fim escancarada.
Servi de cocho de porco
Servi também de latada.

Se a coisa não complica,
Talvez eu seja uma bica
Pela próxima invernada.
E inverno é chuva, é água,
E eu encherei outras latas
Cumprindo minha jornada.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

JUSCELINO FRANÇA FEZ PRESENÇA NO ENCONTRO COM OSCAR SILVA

Juscelino França é homologado pré-candidado a deputado estadual

Neste final de semana Juscelino participou no Hotel Maine na capital de um curso de formação política para os pré-candidatos do PHS nas eleições desse ano. O curso foi ministrado por Oscar Silva, secretário nacional do PHS e pré-candidato à Presidência da República.  
No encontro, Juscelino França teve seu nome citado como pré-candidato a deputado estadual pelo PHS, o que será confirmado em junho próximo na convenção do partido. Até lá, o pré-candidato Juscelino vem conquistando simpatia junto ao povão no vale do Açú  e tem bom relalcionamento  com os membros do partido  nas executivas estadual e nacional.

A COLÔNIA DE PESCA EM SANTANA DO MATOS UM EXEMPLO DE EMPREENDEDORISMO


A pesca em Santana do Matos uma realidade empreendedora

Todos segmentos possuidores de potenciais adormecidos clamam por administrações e  elementos empreendedores. Os santanenses reconhecem o trabalho da colônia de pesca Z-61 em Santana do Matos. Como um passo de mágica em três anos a instituição tornou-se uma empresa referenciada, produtora de toneladas de peixe na sazonalidade do produto.

Hoje, já não se pode mais dizer, como disse  o prefeito de Santana do Matos, em alto e bom som que o município sobrevive da receita dos aposentados. Palavras essas, desmotivadoras, insensíveis, desrespeitosas aos segmentos portadores de potenciais latentes que possui o município.

Deveremos todos dizer, irmanados em coro, que poderíamos viver com melhor qualidade de vida se tivéssemos políticas públicas, a partir do próprio executivo local – apontadas e acionadas, alavancando nossas alternativas.

E aqui relembramos nosso turismo rural e de aventura; o turismo cultural; nossas extensas várzeas, uma vocação à apicultura (Lajes com flora inferior a nossa) produz toneladas de mel anual; apoio e financiamentos aos pequenos produtores de leite do município (seria necessário, no mínimo mais 20 resfriadores para todo o município para melhor qualidade do produto e motivar a produção e demanda da nossa bacia leiteira); incentivo, orientação e capacitação à agricultura familiar; criação de um espaço para comercialização de animais na cidade, enfim, que surjam visões empreendedoras de nossos representantes para utilizar nossa ferramenta disponível, que é nosso potencial humano e os recursos naturais da zona rural. Esse exemplo da colônia de pesca Z-61 prova a diferença entre produtividade e consumismo. Consumir sem produzir é um péssimo exemplo do que tem sido feito em Santana do Matos nos últimos anos.

Precisamos progredir, e temos potencial e condições para isso: potencial humano de alto valor, garra, determinação, origens confirmadas e todos iguais a um estopim esperando a chamada motivadora à produtividade, ao progresso.

Os pescadores de Santana do Matos  neste mês de Maio, através do seu presidente vereador Magnos José dos Santos(DEM) absorveram, informações e apoio quando se reuniram nos dias 15 e 22 para tratar de assuntos pertinentes aos pescadores.

Dia 15 uma reunião mensal na Câmara Municipal onde foram discutidos os problemas da classe, opiniões e tomadas de ações, ocasião em que o presidente Magnos apresentou aos seus associados o projeto enviado a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) sobre a compra do filé de peixe, um estágio de valorização do produto sendo oferecido a rede escolar e a outras instituições do Estado e municípios. Estava presente ao evento e senti o clima de expectativa e satisfação dos associados diante da iniciativa do presidente.

Dia 22 uma palestra sobre Estatística e Registros das atividades pesqueiras da colônia proferida pelo professor e Sub-Secretário de Pesca e Aqüicultura (SSPA) Antônio Alberto Cortez, onde transmitiu a classe pesqueira de Santana do Matos importantes  informações sobre registros e preenchimentos  de formulários estatísticos de suas atividades. Indicadores esses de suma importância que servem como orientação profissional aos pescadores de Santana.
 Veículo moderno e apropriado para transporte dos alevinos
Ainda na primeira quinzena do mês o presidente da colônia adquiriu em Caicó 10.000 alevinos, transportados em recipientes próprios e depositados no manancial do açude da pedra, iniciativa que garante a produção do produto para o próximo ano. São ações como essas que necessita Santana do Matos para que possamos fomentar empreendedorismo e proporcionar ao município suas melhores possibilidades de qualidade de vida.

A COLÔNIA DE PESCA EM SANTANA DO MATOS UM EXEMPLO COMO EMPREENDEDORISMO


A pesca em Santana do Matos uma realidade empreendedora
Todos segmentos possuidores de potenciais adormecidos clamam por administrações e  elementos empreendedores. Os santanenses reconhecem o trabalho da colônia de pesca Z-61 em Santana do Matos. Como um passo de mágica em três anos a instituição tornou-se uma empresa referenciada, produtora de toneladas de peixe na sazonalidade do produto.

Hoje, já não se pode mais dizer, como disse  o prefeito de Santana do Matos, em alto e bom som que o município sobrevive da receita dos aposentados. Palavras essas, desmotivadoras, insensíveis, desrespeitosas aos segmentos portadores de potenciais
latentes que possuem a região.

Deveremos todos dizer, irmanados em coro, que poderíamos viver com melhor qualidade de vida se tivéssemos políticas públicas, a partir do próprio executivo local –
apontadas e acionadas, alavancando nossas alternativas.

E aqui relembramos nosso turismo rural e de aventura; o turismo cultural; nossas extensas várzeas, uma vocação à apicultura (Lajes com flora inferior a nossa) produz toneladas de mel anual; apoio e financiamentos aos pequenos produtores de leite do município (seria necessário, no mínimo mais 20 resfriadores para todo o município para melhor qualidade do produto e motivar a produção e demanda da nossa bacia leiteira); incentivo, orientação e capacitação à agricultura familiar; criação de um espaço para comercialização de animais na cidade, enfim, que surjam visões empreendedoras de nossos representantes para utilizar nossa ferramenta disponível, que é nosso potencial humano e os recursos naturais da zona rural. Esse exemplo da colônia de pesca Z-61 prova a diferença entre produtividade e consumismo. Consumir sem produzir é o péssimo exemplo do que tem sido feito em Santana do Matos nos últimos anos.

Precisamos progredir, e temos potencial e condições para isso: potencial humano de alto valor, garra, determinação, origens confirmadas e todos iguais a um estopim esperando a chamada motivadora à produtividade, ao progresso.

Os pescadores de Santana do Matos  neste mês de Maio, através do seu presidente vereador Magnos José dos Santos(DEM) absorveram, informações e apoio quando se reuniram nos dias 15 e 22 para tratar de assuntos pertinentes aos pescadores.

Dia 15 uma reunião mensal na Câmara Municipal onde foram discutidos os problemas da classe, opiniões e tomadas de ações, ocasião em que o presidente Magnos apresentou aos seus associados o projeto enviado a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) sobre o filé de peixe, um estágio de valorização do produto sendo oferecido a rede escolar e a outras instituições do Estado e municípios. Estava presente ao evento e senti o clima de expectativa e satisfação dos associados diante da iniciativa do presidente.

Dia 22 uma palestra sobre Estatística e Registros das atividades pesqueiras da colônia proferida pelo professor e Sub-Secretário de Pesca e Aqüicultura (SSPA) Antônio Alberto Cortez, onde transmitiu a classe pesqueira de Santana do Matos importantes  informações sobre registros e preenchimentos  de formulários estatísticos de suas atividades. Indicadores esses de suma importância que servem como orientação profissional aos pescadores de Santana.
 Veículo moderno e apropriado para transporte dos alevinos
Ainda na primeira quinzena do mês o presidente da colônia adquiriu em Caicó 10.000 alevinos, transportados em recipientes próprios e depositados no manancial do açude da pedra, iniciativa que garante a produção do produto para o próximo ano. São ações como essas que necessita Santana do Matos para que possamos fomentar empreendedorismo e proporcionar ao município suas melhores possibilidades de qualidade de vida.

12 CANDIDATOS A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - IDEOLOGIAS SEM CONSENSO


Brasil terá 12 candidatos a Presidência da República



Dia 5 de julho é o último dia para os partidos políticos e coligações apresentarem ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o requerimento de registro de candidatos que vão concorrer à Presidência da República. Entretanto, os principais concorrentes já anunciaram suas pretensões eleitorais e começaram a pré-campanha ainda neste primeiro semestre.

Confira abaixo quem são os pré-candidatos já declarados e veja como acompanhar suas atividades, seja por meio de blogs ou do Twitter. Se confirmados, serão 12 os concorrentes à Presidência.

Américo de Souza (PSL)
Bacharel em direito, ciências econômicas, administração, ciências contábeis e pós-graduado em engenharia administrativo-econômica. É ex-deputado federal e ex-senador pelo Maranhão. Em 2006, foi candidato a vice-presidente.
www.pslnacional.org.br

Dilma Rousseff (PT)
É natural de Belo Horizonte. Formada em Economia, foi secretária estadual de Minas, Energia e Comunicação no Rio Grande do Sul. No governo Lula, foi ministra de Minas e Energia e depois ministra-chefe da Casa Civil. 

Ivan Pinheiro (PCB)
Advogado, é secretário geral do PCB. Foi presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro. Já se candidatou a deputado federal e a vereador. Também já disputou a Prefeitura do Rio de Janeiro.  

José Maria Eymael (PSDC)
Nasceu em Porto Alegre, é formado em direito, com especialização na área tributária, e em filosofia pela PUC-RS. Há mais de 30 anos atua como empresário nas áreas marketing e comunicação. Ex-deputado federal, já disputou a Presidência duas vezes.  

José Serra (PSDB)
Ex-governador de São Paulo, já foi deputado federal, senador e ministro da Saúde e do Planejamento. Tem formação superior em Economia, concluída no Chile, e em Engenharia, pela Universidade de São Paulo. 

Levy Fidélix (PRTB)
Atuou como apresentador de TV, diretor de criação em agências de publicidade e professor. Foi um dos fundadores do PL e  esteve no PTR. Já disputou eleições para presidente da República, prefeito de SP, governador, vereador e deputado federal. 

Marina Silva (PV)
Nasceu no Acre, onde formou-se em história. Foi vereadora em Rio Branco, deputada estadual e senadora. Atuou no governo Lula como ministra do Meio Ambiente, de 2003 a maio de 2008. Participou da fundação do PT, do qual se desfiliou em 2009. 

Mário de Oliveira (PTdoB)
Nasceu em Aquidauana, em Mato Grosso do Sul. É graduado em engenharia mecânica pela Unesp, bacharel em Direito pela PUC-SP e pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas-SP
www.mariooliveira.com.br

Oscar Silva (PHS)
Maranhense, vive atualmente em Brasília. É advogado e secretário geral nacional do PHS. Entrou para a política no PMDB. Está filiado há cinco anos ao PHS. Já disputou duas eleições para deputado.
www.oscarsilva2010.com.br
Plínio Sampaio (Psol)
Promotor público aposentado, é mestre em desenvolvimento econômico internacional pela Universidade de Cornell (EUA). Tem atuação junto à Igreja Católica. É presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária.
www.pliniopresidente.com

Rui Pimenta (PCO)

Formado em jornalismo, participou da fundação do PT, com atuação em SP e no ABC. Na década de 80, atuou no sindicalismo. Após ajudar a fundar o PCO em 1996, foi candidato a vereador, a deputado federal e a prefeito de São Paulo.
www.pco.org.br

Zé Maria (PSTU)

Metalúgico, participou dos movimentos sindicais no ABC na década de 1970. Foi um dos fundadores do PT, do qual saiu nos anos 90. É um dos fundadores e atual presidente nacional do PSTU. Integra a Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas).
www.pstu.org.br

EM FERNANDO PEDROZA GRUPO DE OPOSIÇÃO FICA MAIS FORTE


(Daniel Pereira (Camisa listada) recebe o vereador Paulo de Ramiro)

Vereador Paulo de Ramiro declara adesão ao grupo de oposição

Daniel Pereira (PSDB) apresentador e comentarista do famoso programa “Tribuna Livre” da FM Cidade em Fernando Pedroza, recebeu no domingo 23/05 as 11.30h o vereador Paulo de Ramiro(PP) que fez severas críticas à administração municipal e aderindo ao grupo de oposição onde tem Daniel um dos seus líderes.

O mais importante programa sobre política na região é dividido em três blocos abrangendo a política nacional, estadual e local. Daniel coordenador do PSDB no Estado já foi vereador e candidato a prefeito na última eleição onde saiu prestigiado pela surpreendente campanha enfrentando o sistema oligárquico local. Elegeu sua esposa ao legislativo, vereadora Erika Mirelle, também do PSDB.

BODÓ NAS TRILHAS DO TURISMO


Bodó nas trilhas do turismo

    Bodó a exemplo de Lagoa Nova começa a ser enveredada pelas trilhas do turismo. A pequenina cidade serrana situada nas encostas da serra de Santana, que foi braço membro de Santana do Matos como distrito, tornou-se forte e tomou corpo, dando adeus a cidade mãe, tornando-se independente em 1992. Seu primeiro prefeito Antônio Assunção, eleito no final de 1996 governou por dois mandatos até 2004, substituído por Avamar Alves que atualmente, também no segundo mandato, já define ações no segmento do turismo local.
      Aldenora Silva a frente do turismo no município tem muito que convergir esforços e tentar conscientizar a população bodoense sobre os prós e contras do turismo e tentar unir todos os segmentos, principalmente as áreas de educação, saúde, comunicação social e o próprio povo para que através de um projeto educativo desenvolva auto-estima despertando a conscientização turística de todos. Todos os segmentos administrativos são essenciais para a consolidação de projetos turísticos, ao contrário esforços são desperdícios, principalmente se os próximos prefeitos forem céticos e desmotivados. Projetos turísticos na região não é utopia ou ilusionismo, concebe-se sua consolidação com muito otimismo e execução de programas a médio e longo prazo.

     A vocação turística da região desponta pela presença de pessoas de fora visitando a cidade, como fez recentemente o “Projeto Pé na Trilha”, um grupo de ecologistas de Currais Novos, que esteve em Bodó visitando os pontos turísticos do município e que ficaram encantados com as belezas naturais da região. Mina cafuca com 20 Km de túneis. Túneis esses, construídos na época sem tecnologia mas que permanecem até hoje, com suas aberturas e espaços escorados com toras de madeira. No rio cafuca, encontraram formações rochosas, cachoeiras, canyons, cavernas, inscrições rupestres e tanques. Oiticicas e caraibeiras gigantes sobrevivem destacando-se na sua limitada e característica vegetação ciliar.
  
     O grupo “Projeto Pé na Trilha” além da sensibilidade cultural de seus componentes, promovem o ecoturismo na região do Seridó. Bodó proporcionou a essas pessoas um ecoturismo de qualidade, definindo-se trilhas, possibilitando montanhismo, prática de rapel e outras opções. A noite a receptividade do povo na cidade ou para os românticos o lual em silhuetas serranas da região, expressando assim, singular contrastante aos novos valores, dos novos tempos.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

MANCHETE DE CAPA DA 33ª EDIÇÃO DO MENSÁRIO CAJARANA: IGUAL A PESQUISA DE 2008 AFERIÇÃO FALSA DESIGNA PREFEITO EMPREENDEDOR

 Último parágrafo da matéria principal da 33ª edição do Jornal Cajarana:

Avaliar o pref. Assis Silva como “Prefeito Empreendedor”, diante dos argumentos expostos pelo SEBRAE e a realidade aqui descrita sobre os fatos envolvendo os resfriadores instalados em Santana é uma FARSA. Merecedores são aqueles pequenos produtores que quase derramaram leite na porta da prefeitura.

QUEIMADAS NO NORDESTE CRIMES SEM CASTIGOS


O desmatamento no semiárido nordestino
 Antoir Mendes Santos.  Economista

A exemplo do que acontece com a cobertura vegetal de outras regiões – floresta amazônica na região Norte e cerrado no Centro-Oeste - a caatinga do Nordeste vem sofrendo a ação devastadora do homem, que utiliza-se de sua vegetação nativa como fonte de energia para várias atividades produtivas.
Considerada como uma vegetação típica da região Semiárida nordestina, a caatinga é constituída “por plantas com folhas pequenas, às vezes transformadas em espinhos, casca grossa, formação de uma camada de cera e raízes com capacidade de armazenar água”. Poder-se-ia dizer tratar-se de uma arborização frágil, em função do baixo porte de suas árvores e da pouca espessura de seus trocos e galhos. Porém, só a capacidade de armazenamento d’água dessas plantas, num ecossistema que quase não chove, mostra a sua importância e adaptabilidade a uma região inóspita.
            Assim, não é de hoje que governos e entidades da sociedade civil manifestam a sua intenção em estabelecer programas de contenção do desmatamento e da conseqüente desertificação que ocorre em diversas áreas do espaço nordestino, sobretudo por se tratar de áreas susceptíveis às mudanças climáticas. A primeira tentativa estruturada nesse sentido, ocorreu em 2004 quando o governo federal lançou o PAN/Brasil – Programa de Ação de Combate à Desertificação, propiciando a que os estados também criassem seus Planos Estaduais de Enfrentamento da Desertificação.
            Porém, nem tudo funcionou conforme o figurino. Apesar do baixo comprometimento dos governos (federal, estaduais e municipais) na implementação de ações mais concretas, talvez possamos considerar que a grande contribuição desse programa tenha sido o reconhecimento da necessidade de se propor medidas para impedir o avanço dos núcleos de desertificação, entendidos como “áreas onde a degradação da cobertura vegetal e do solo alcançou uma condição de irreversibilidade, apresentando-se como pequenos desertos já definitivamente implantados”.
            No Nordeste esses núcleos estão localizados em seis estados: Gilbuês no Piaui; Inhamuns no Ceará; Cariris Velho na Paraíba; Sertão Central em Pernambuco; Sertão do São Francisco na Bahia e Seridó no R. G. Norte. No RN, o núcleo de desertificação atinge os municípios de Caicó, Currais Novos, São J. Seridó, Carnaúba dos Dantas, Parelhas, Cruzeta, Acari e Equador. Para os especialistas, o problema tem origem em dois aspectos: a vulnerabilidade natural do ecossistema devido a incidência do sol e a precipitação irregular das chuvas, e a ação do homem onde se insere o desmatamento.
            Pesquisa realizada pela ADESE – Agência de Desenvolvimento do Seridó em 2007, sob o título “Uso da Lenha nas Atividades Agroindustriais do Território Seridó” identificou 17 atividades agroindustriais que se utilizavam da vegetação nativa ou exótica como sua principal fonte de energia. Em conjunto, essas atividades consumiam 32.625 metros/estéreos mensais de lenha ou 391.500 metros/ano, o equivalente ao desmatamento anual de uma área de 4.350 hectares. Verificou-se que só as cerâmicas do Seridó queimavam 70% de toda a lenha utilizada pelas 17 atividades pesquisadas na região. Para se ter uma idéia da dimensão do problema, estimava-se que em 2000 o consumo anual de lenha no Seridó era de 227.600 metros/estéreos, o que significa dizer que em sete anos o consumo de lenha da região aumentou em 72%.
            Hoje, com a utilização do sistema de monitoramento através de satélite, é possível ao MMA - Ministério do Meio Ambiente acompanhar de que forma se dá o  desmatamento da caatinga nordestina. Dados recentemente divulgados pelo ministério indicam que num período de seis anos, entre 2002 e 2008, a caatinga perdeu uma área equivalente a 16.576 km2 de vegetação nativa, e que o ritmo do desmatamento nesta região é semelhante ao que ocorre na Amazônia. Ou seja, pelos dados do monitoramento, restam 54% da cobertura vegetal original do semiárido do Nordeste.
            Dos estados nordestinos, Bahia e Ceará são as duas unidades da federação onde o desmatamento está mais presente com, respectivamente, 4.527km2 e 4.132 km2 de área devastada. Na sequência, aparecem o Piauí com 2.586 km2, Pernambuco com 2.204 km2 e o RN com 1.142 km2. Acopiara e Tauá no Ceará, Bom Jesus da Lapa e Campo Formoso, na Bahia, e Boa Viagem também no Ceará são os municípios nordestinos que lideram o desmatamento na região.
            É de se lamentar que o combate à desertificação no semiárido não tenha tido, ao longo dos governos, a determinação necessária. Vale dizer, ações concretas e orçamento compatível com o nível dos problemas. Exemplo disso é a demora na aprovação da Política Nacional de Combate à Desertificação, cujo projeto está na fila de votação na Câmara Federal desde 2007.